Travessa Larga

" TRAVESSA: rua estreita e curta que estabelece comunicação entre duas ruas principais. " - - Por vezes pode ser larga...

Nome:
Localização: S.Maria, Sintra, Portugal

domingo, outubro 30, 2005

Eugénio


Não se aprende

Não se aprende grande coisa com a idade.
Talvez a ser mais simples,
a escrever com menos adjectivos.
Demoro-me a escutar um rumor.
Pode ser o prelúdio tímido ainda
do cantar de um pássaro, uma gota
de água na torneira mal fechada,
a anunciação do tão amado
aroma dos primeiros lilazes.
Seja o que for, é o que me retém
aqui, me sustenta, impede de ser
uma qualquer vibração da cal,
simples acorde solar, um nó
de luz negra prestes a explodir.

Eugénio de Andrade

sábado, outubro 29, 2005

Obrigado











A tempestade passou. Houve muita chuva, fortes trovoadas. Neste momento existem sómente alguns aguaceiros. O sol ainda não desponta mas o ambiente está mais limpo. A todos os que apoiaram, o meu obrigado. E a oferta destes momentos, num passado recente.

quinta-feira, outubro 27, 2005

Vidas


Há dias complicados. E vidas também. Quando me dizem que " vida de cão " é vida má, eu discordo. Pelo menos a minha. Agora a vida do meu dono ( aquele tótó ) parece-me que não anda nada bem. Já não sei se é doença do corpo ou da alma ( os humanos têm disso, não têm ? ).
Continua prostrado, muito cansado e com fortes dores de cabeça. Mas, para mim, o pior é o estado de espirito. Consegui espreitar uma nota que lhe enviaram ( bicho-de-seda ou lá o que é...). Pedem-lhe que crie, invente, reinvente e por aí fora. Mas tudo isso é tão dificil numa fase da vida em que tudo parece ruir. Eu sei muito bem ( e acho que ele também ) que tudo se resolve, duma maneira ou de outra. Que aquilo que nos parece hoje muito negro, amanhã tem outra luz.
O tempo de chuva, que a mim me irrita ( por causa do pêlo ) costuma ser bom para ele. Mas nem assim ele melhora. Já o ouvi chorar. Eu, que nunca chorei, percebo-o muito bem. Ando preocupado. Tenho comida, água, uma boa cama, vou passear à rua mas acham que fico bem ao ver como ele anda?. Em desespero de causa já pensei dar-lhe uma valente dentada. Que o levasse ao hospital. Mas que lhe desse, também, um forte abanão. Acho que é o que ele precisa.

terça-feira, outubro 25, 2005

Amigos


Tive hoje a visita do meu amigo Simão. Um caniche branco que já viram por aí. Estava tristissimo. Não porque a vida pessoal lhe corresse mal, antes pelo contrário. Mas falou-me do dono. Que parece ter apanhado outra crise. Calculem que ele ( o dono ) não fala, pouco lhe liga, leva-o a passear contrariado. Anda ausente. Não visita os amigos que foi fazendo ( mas queixa-se da falta de visitas... ). Passa o tempo todo a dormir ( O Simão já ouviu falar lá em casa, numa doença estranha ) não lê como era hábito, passa algum tempo num ecran a escrever mas com ar entediado. Chegou a dizer ao Simão ( sim, eles entendem-se ) que precisava de parar, reflectir, ver como podia resolver as coisas. Conheço-o mal. Veio aqui uma vez, brincou imenso comigo mas não consegui apanhar mais nada. Temo por ele. E muito mais pelo Simão.

Mar


Desejos vãos

Eu queria ser o Mar de altivo porte
Que ri e canta, a vastidão imensa!
Eu queria ser a Pedra que não pensa,
A pedra do caminho, rude e forte!

Eu queria ser o Sol, a luz intensa,
O bem do que é humilde e não tem sorte!
Eu queria ser a árvore tosca e densa
Que ri do mundo vão e até da morte!

Mas o Mar também chora de tristeza...
As árvores também, como quem reza,
Abrem, aos Céus, os braços, como um crente!

E o Sol altivo e forte, ao fim de um dia,
Tem lágrimas de sangue na agonia!
E as Pedras...essas...pisa-as toda a gente!...

Florbela Espanca

segunda-feira, outubro 24, 2005

Toca a rufar




Imagens de teste de fotos " não tratadas " .

domingo, outubro 23, 2005

Saudade

Havia um tempo de ansiedade. Primeiro adivinhar e depois saber o que lá estava escrito. Juntavam-se ideias e fazia-se um texto. Naquele tempo, entre dois sorrisos, havia um tudo. E o nada ficava de fora. Também se perdia por um olhar. E era sobre esses pedaços, colados com carinho, que ía pensando como era bom usar a imaginação. Em sonhos via-se num mar revolto, muito azul. Espreitava então por uma janela alheia cheia de nadas e dizia-lhe, simplesmente: que bem cheira a maresia.

sábado, outubro 22, 2005

Outono / Inverno



Mudança

Este fim de semana estava programada a mudança ou parte dela. De manhã cedo o tótó do meu dono* começou a pensar nela. Pela primeira vez não me levou a passear ( também chovia imenso e não gosto de molhar o pêlo... ) . O que é certo é que, chegada esta hora, não conseguiu mudar nada. Ficaram na casa antiga, o contador, a aparelhagem ( e isto sem música não tem graça ) e principalmente a " agenda " com os nomes dos amigos. A mim parece-me que não foi falta de vontade . Aquele tótó não sabe é mesmo como é que há-de fazer... Até a minha cesta de dormir lá ficou. Um dia um chinês qualquer disse que era melhor ensinar a pescar do que dar um peixe. O que se passa é que o meu dono* não tem cana. Pode ser que alguém lhe empreste uma e o ensine a pescar. A todos, até amanhã. Béu-béu.

* O dono dele sou eu, pois chega a ser meu escravo...

sexta-feira, outubro 21, 2005

Pôr-do-sol






Mãe



Desenho de Joaquim Durão

Agora que o Inverno vem
E entra sorrateiro no teu quarto,
Dá-me tempo para te dizer, mãe,
Que não foi em vão a dor daquele parto.

Enquanto me olhas tão serena
À espera que te leve o pão à boca,
Deixa-me dizer que ainda é pequena
A mão que te estendo, que ainda é pouca
A força que me deste e a coragem
Para te guardar silêncio e devoção
Quando atravessares a outra margem
E me deixares vazio o coração...

Agora que o Inverno vem
Fita-me nos olhos, deixa-me gravar
As rugas com que partes, para eu, também,
Aprender o teu eterno viajar...

IFV

Lobo


Pastores do Gerês ameçam pegar em armas, na próxima primavera, se não receberem do Estado as indemnizações a que têm direito pelos prejuízos causados pelos lobos nos seus rebanhos. Embora discutível e contrário à lei de protecção das espécies não é compreensível ?
E a solução, tão simples, é o Estado cumprir com a sua obrigação. Proteger o Ambiente desta forma ? Algo está errado.

quinta-feira, outubro 20, 2005

Refúgio

"Mais do que uma casa era um refúgio "

Mais do que uma casa era um refúgio
bom, forrado de livros, gravuras e mesmo
alguns retratos. O fragor do mar
não colidia nunca com o canto da lareira

e a impaciência de Xavier, o siamês.
Rimbaud andou por lá, voando nas dunas,
os pescadores extasiados
daquele perfil motorizado. Havia quem

roubasse amoras para a compota
do serão. Havia ainda os que, em sigilosas noites,
chegavam a coberto das escarpas
de Porto Batel. A casa

continua lá, habitada pela memória desolada
de quem partiu. O quintal abriga
peregrinos, o vento, vegetação rasteira
e o jogo ardiloso de dois amantes.

Eduardo Pitta

Veneza

Que melhor imagem para fazer o teste ?