Travessa Larga

" TRAVESSA: rua estreita e curta que estabelece comunicação entre duas ruas principais. " - - Por vezes pode ser larga...

Nome:
Localização: S.Maria, Sintra, Portugal

domingo, fevereiro 26, 2006

Felicidade

Durante algumas horas, a mulher passara para Tomás toda a sabedoria que possuía.

A sua missão estava concluída e a partir daquele momento o coração de Tomás estava preparado para reiniciar a sua viagem, na busca da felicidade.
A mulher afastou delicadamente as mãos da cabeça de Tomás e respirou fundo, aliviando algum oxigénio concentrado. Depois, sorriu enquanto limpava algum suor da testa e levantou-se.
Enquanto se refrescava com um chá fresco, rasgou uma folha de um dos cadernos de capa preta que Tomás levara na viagem e escreveu:

«Durante toda a vida viveste na intranquilidade e no desequilíbrio de estares feliz e estares triste. A partir do momento em que acordares e leres estas palavras, terás o poder de ser feliz para sempre. Para isso, basta lê-las diariamente até que as domines inconscientemente. Apesar das dificuldades com que te possas deparar na viagem, nunca te esqueças que as grandes conquistas se alcançam no presente e sem pressas. Sê paciente.

- Sou feliz porque tenho força para mudar o que não está bem.
- Sou feliz porque tenho esperança no futuro.
- Sou feliz porque sou um homem leal.
- Sou feliz porque sou um homem pleno de intenções.
- Sou feliz porque compreendo os outros, a Natureza e a vida.
- Sou feliz porque admito e reconheço a minha imperfeição enquanto homem.
- Sou feliz porque dou o que tenho e o que posso.
- Sou feliz porque me amo, amo os outros e a Natureza.
- Sou feliz porque tenho Deus na minha vida.
- Sou feliz porque atingi o equilíbrio e através dele aprendi a criar o meu espaço no meu tempo.»

Tomás estava adormecido, numa paz interior, profunda, sem consciência de movimentos ou barulhos, mergulhado numa leveza dourada.

A mulher, com um ligeiro toque nos seus ombros, encostou-o a uma pedra que estava ligeiramente atrás dele, colocou o papel que escrevera, enrolado, na sua mão e ali o deixou ficar até que acordasse.

"Carta Branca", Gustavo Santos. Editorial Angelorum-Novalis

sexta-feira, fevereiro 24, 2006

Macaquinho



MACAQUINHO DO CHINÊS

Um dois três

macaquinho do chinês.

Dois três quatro

vamos todos ao teatro.

Três quatro cinco

já vais ver como é que eu brinco.

Quatro cinco seis

as Marias e os Manéis.

Cinco seis sete

a comer o seu esparguete.

Seis sete oito

no caminho p`ró Magoito.

Sete oito nove

a cavalo numa couve.

Oito nove dez

venha cá Senhor Marquês

está na hora está no mês

para cantarmos outra vez.

um dois três

macaquinho do chinês!

José Fanha. " Cantigas e Cantigos " Terramar

terça-feira, fevereiro 21, 2006

Clones

" Imagem recebida por e-mail "
A Gatinha disse que eu tenho a mania de querer aparecer. Assim, e para terminar estas " guerrinhas ", aqui fica uma foto da última reunião de família. Depois desta data nunca mais vi os meus primos. Mas a que está deitada no tapete não pára de me enviar e- mails.

Simão

P.S. Se o meu homónimo não marca dois ao Liverpool, mudo de nome.

domingo, fevereiro 19, 2006

Outras manias

É sempre assim. Aquele cromo do Simão gosta de aparecer. E depois faz asneira e nem sequer completa os recados. As manias que ele devia lá pôr eram as do dono e não as dele. Se não fosse eu, nunca saberíam quais os hábitos-manias daquele senhor. Então aqui vai:

1- Tem o hábito de comprar (quase) todos os livros que aparecem- sempre em conta, é verdade - como se conseguisse ler tudo aquilo. Julga ele que vai durar uma eternidade...
(Almada Negreiros escreveu um dia e eu concordo:" Entrei numa livraria. Pus-me a contar os livros que há para ler e os anos que terei de vida. Não chegam, não duro nem para metade da livraria. Deve certamente haver outras maneiras de se salvar uma pessoa, senão estou perdido " )
É certo que lê muito, mas compra mais do que aquilo que vai conseguir ler. Será talvez uma herança para os filhos. Ou será que estes irão deitar tudo fora ou vender ao desbarato?

2- Tem a mania que um dia vai ser elegante. Tem perto de 100 kg-nr. psicológico- e quer chegar aos 75/80 mais de acordo com o seu IMC.
Todos os meses, ao dia 1, começa uma dieta que interrompe lá para o dia 5 mais ou menos. Pode ser que um dia consiga, mas duvido...

3- Tem uma obsessão por África. Onde nunca esteve mas que julga conhecer profundamente. E Benguela é a sua Cidade de eleição. Estranho, não é ?

4- Julga ele que ainda vai morar, um dia, numa casinha pequena, no cima dumas arribas (seguras, já agora). Com o chão todo em pedra onde vai andar descalço. Com uma janela enorme sobre o oceano. Oceano que lhe vai entrar em casa com o seu ruído e seu cheiro. E da casinha admirar todos os dias o pôr-do-sol. E se fôr dia de chuva não faz mal. Imagina-o.

5- Tem a mania que um dia vai ser muito feliz. Mas aqui, digo eu, há tontice nele.
Porque ele tem tudo para ser feliz. Só lhe falta Acreditar.

E como nestas coisas há sempre convites, ele aqui vai. Para quem leu, escreva também os seus hábitos. Ou manias. Ou o que quizerem.
" Gatinha "

quinta-feira, fevereiro 16, 2006

Cinco manias


O meu dono "tótó" tem a mania de me endossar algumas das coisas que a ele lhe custam fazer ( nem queiram saber quais...).
Recebeu um convite para partilhar as suas manias e com a lata habitual disse-me:
- Simão, trata lá de responder a isso...
E aqui estou. Embora um pouco baralhado porque não sei se são as minhas manias ou as dele.
De qualquer forma, pouca diferença faz.

1- Tenho a mania de fazer xixi onde não devo. Ele julga que eu não sou asseado, mas não é bem isso. Se me levasse mais vezes à rua (passear na Vila é tão bonito) já não se queixava tanto.
2- Gosto imenso de lhe trocar as voltas. Nos passeios pela Vila, e sempre que isso é possível, tira-me a trela. Com a certeza que eu não fujo e sigo na direcção que me pede. Mas adoro, adoro mesmo, ao chegar perto de casa, olhar para ele com uns olhinhos ternurentos e, se ele não me chateia, voltar para trás e dar novas corridas por aquela correnteza da Vila. Manias...
3- Deito-me no corredor ao cimo da escada e aguardo. Quando ele abre a porta lá em baixo finjo que não o vejo. Ele vai subindo e eu, nicles. Só quando está mesmo ao pé de mim, dou " cabo dele.". Lambuzo-o (é assim?) e vou atrás dele por tudo quanto é sitio.
4 - Tenho por companhia uma gatinha amorosa. Mas não pense ela que me rouba a afeição do dono. Cada um no seu lugar. Só me chateia quando ele, na sala, se instala a ver televisão, pernas estendidas e colocadas num banco, e ela salta para o colo e ali fica, regalada. Que raiva, eu ter que ficar no chão, porque nem no sofá ele me deixa estar.
5 - Adoro ter a comida todo o dia à disposição. Um prato com secos e uma tigela de água. Essa história de refeições a horas certas não é comigo. E sempre que posso, mas posso pouco, tento ir comer os secos da gatinha que são melhores que os meus (levava uns dias a tentar dissecar esta discriminação, mas não tenho tempo). Em contrapartida é na minha tigela que ela se deleita. Manias nossas ou dos donos ou de todos.

Passem muito bem porque tenho ainda muito que fazer.

quarta-feira, fevereiro 15, 2006

Pico Pico

Pico pico saramico
quem te deu tamanho bico?
Foi a filha do juiz
que está presa pelo nariz.

Pico pico sarabeco
quem te deu esse boneco?
Foi a Dona Micaela
que fugiu de barco à vela.

Pico pico salpicão
quem te deu esse tostão?
Foi a filha do padeiro
que o tirou do mealheiro.

Pico pico sapatinho
quem te deu esse cãozinho?
Foi o homem dos jornais
uma vez p`ra nunca mais.

José Fanha, Cantigas e Cantigos - Edição Terramar

sexta-feira, fevereiro 10, 2006

Cinema

"Programação" encontrada nas Salas Mar Revolto em Braga e Mar Azul em Sesimbra.


Sussuro-te que o Segredo de Brokeback Mountain é para ver. Já.


E o que me dizes daquela Imagem de Munique?

Sabes concerteza, que o libertino, grande admirador de Gabrielle, ficou lavado em lágrimas ao saber a história verdadeira do crime do Padre Amaro...

As Memórias de uma Gueixa estavam à espreita...dela.E um rastro mortal levou-a ao Match Point. Ainda a tempo de brincar com ele e dizer-lhe: chupa no dedo.

Houve um momento em que na escuridão aquele agente acidental fez uma aposta de risco.

Não tinha nada a esconder e naquelas vagas de ternura relembrou um lindo esplendor na relva.

As nossas manias deram-nos para abrir a caixa negra e dizem por aí que os tiros certeiros mais pareciam de ladrões sem jeito.

Sei(te) bela Sissi, jovem imperatriz, que ainda estás presente nos filmes da minha infância.

O Salta-Pocinhas leu as crónicas de narnia e num fragmento fechou os olhos. Sem orgulho e preconceito questionou-se: onde está a verdade?

quarta-feira, fevereiro 08, 2006

História

A história de um gatinho triste

Começa, já muito no fim, num jardim maravilhoso.
Ao saírem, apanharam ambos o comboio da Felicidade. Passados três dias de viagem conjunta e por motivos ainda pouco claros, o gatinho escorregou e caíu à linha. O comboio, indiferente, continuou a sua marcha. Lá dentro continuava a gatinha.
- Paciência, pensou o gatinho. São só uns arranhões e isto passa. Ainda a vou ver de novo. Deixou-se ficar sem saber o caminho para casa. E nem sequer sabia se queria voltar.
E aquele gatinho não mais foi o mesmo. Devido talvez a algum problema lacrimal não parava de chorar e de miar. Mas ninguém entendia os seus miados.
Um dia ainda contactou a gatinha antes desta partir para uma longa viagem. Depois, com a gatinha lá longe, muito longe, miou desesperadamente mas não obteve resposta.
E aquele gatinho percebeu um dia que já devia ser velho pois havia já um gatinho/netinho (A outra gatinha também tinha um neto, sabiam?).
Mas todas as alegrias se foram e o neto partiu também, para o mesmo lado do Mundo, em paisagens asiáticas.
Durante muito tempo andou lá por baixo, nos caixotes do lixo, à procura nem sabía de quê.
Voltou ao local onde caíra do comboio, na esperança que passasse o mesmo ou outro que fizesse a ligação. Mas só encontrou silêncio e um monte de ervas tinha crescido na linha. Um humano dizia a outro que ali não voltavam a passar comboios.
O gatinho chorou até as lágrimas secarem. Encostou-se a uma travessa, depois deitou-se e miou desesperadamente. Ao perceber que não tinha mais respostas fechou os olhos e adormeceu para sempre.

(De um blog já desactivado, de autor desconhecido. É uma história linda, mas muito triste)

domingo, fevereiro 05, 2006

Noticias da Vila



Tal como as andorinhas anunciam a Primavera, na Vila, os Castros anunciam o Natal.
Com vários carros, chegam no final de Outubro, (do Norte do País) para armar as iluminações natalícias.
Umas vezes bonitas, outras nem por isso. E por aqui ficam, Novembro e Dezembro, até que em Janeiro (mais ao menos depois dos Reis) voltam a desarmar todo o seu arsenal. Nesta altura, já entrados em Fevereiro, ainda cá estão. Devem estar a partir. Até Outubro, altura em que nos anunciam um novo Natal.
Com a velocidade vertiginosa do tempo, porque não ficam connosco ? Afinal Outubro é já amanhã...



Encontrei o Armando num dos últimos fins de semana. Vi-o no Sábado e combinei ir buscá-lo no dia seguinte. Naquele Domingo chovia copiosamente e tentei convencê~lo a beber a bica no café em frente à estação. Que não. Apesar da chuva (e o Armando nada tinha a protegê-lo) queria ir dar o passeio habitual. Confesso que foi dificil, penoso até, acompanhá-lo naquele passo vagaroso (o Armando não vê quase nada) debaixo de uma chuva impiedosa. No final, deixado o Armando no comboio, quando regresso a casa, achei que apesar da tremenda molha, tinha valido a pena. O Armando estava mesmo contente.

quinta-feira, fevereiro 02, 2006

Ai flores...

AI FLORES, AI FLORES DO VERDE PINO

- Ai flores, ai flores do verde pino,
se sabedes novas do meu amigo?
Ai Deus, e u é ?

Ai flores, ai flores do verde ramo,
se sabedes novas do meu amado?
Ai Deus, e u é?

Se sabedes novas do meu amigo,
aquel que mentiu do que pôs comigo?
Ai Deus, e u é?

Se sabedes novas do meu amado,
aquel que mentiu do que m` á jurado!
Ai Deus, e u é?

- Vós me preguntades polo voss` amigo,
e eu ben vos digo que é san` e vivo.
Ai Deus, e u é?

- Vós me preguntades polo voss` amado,
e eu ben vos digo que é viv` e sano.
Ai Deus, e u é?

E eu ben vos digo que é san` e vivo,
e será vosc` ant` o prazo saído.
Ai Deus, e u é?

E eu ben vos digo que é viv` e sano
e será vosc` ant` o prazo passado.
Ai Deus, e u é?

D. Dinis (1261-1352 )

quarta-feira, fevereiro 01, 2006

Despertar

É um pássaro, é uma rosa,
é o mar que me acorda?
Pássaro ou rosa ou mar,
tudo é ardor, tudo é amor.
Acordar é ser rosa na rosa,
canto na ave, água no mar.
Eugénio de Andrade - " Trinta Poemas "